O que os gestores das empresas podem fazer para enfrentar o cenário econômico atual e o que os rumores dizem referindo-se a uma recessão econômica?

O mercado brasileiro está nos mesmos rumores que a economia mundial, onde já se fala em recessão para o segundo semestre. No Brasil a alta da taxa Selic, a inflação, impactos ainda sentidos da pandemia, guerra na Europa tudo isto vem interferindo no cenário brasileiro.

As empresas, principalmente os MEI, Micro e Pequenas empresas sentem no seu dia a dia a batalha para enfrentar estes vilões da economia. As altas dos preços elevam custos de aquisições sejam de produtos ou serviços, que por sua vez não conseguem repassar na mesma proporção para os consumidores, pois também sofrem com a perda do poder de compra.

A ruptura econômica percebemos quando vamos ao mercado, observamos que as grandes marcas diminuíram seus produtos expostos, muitos até desaparecem das prateleiras, em função de que os consumidores vão atrás de mercadorias mais acessíveis, afastando-se das grandes marcas.

Com a alta da Selic os juros aplicados nas concessões de empréstimos ficam mais caros e isto gera um problema para as empresas para buscar capital de giro, pois trazem consigo a carga dos juros, que senão forem planejados no fluxo de caixa, acarretam problemas financeiros maiores. Se para a parte operacional já dificulta, os financiamentos para melhorias nos negócios também se encolhem, ou seja, a empresa não tem como expandir ou investir no seu negócio.

Na realidade o governo tem alguns meios para tentar evitar uma crise mais forte. Pois o governo em algum momento pode controlar o dinheiro, a taxa de juros, o consumo e flexibilizar a carga de impostos.

Mas aí o que fazer para driblar tudo isto, as ditas regras da economia e se manter ativo no mercado?

Mais do que nunca agora você gestor de empresa precisa estar atento com seus números, porque quem se prepara, não é pego de surpresa. Observe as grandes variações nos últimos meses no mercado.

Para você que fez seu planejamento financeiro, revise-se o. E para você que ainda não fez implemente um planejamento financeiro a curto e médio prazo, alongando suas dívidas para melhorar seu fluxo de caixa e não deixe de acompanhar analisando-o.

Verifique seus estoques, se está adequado as suas vendas e programe suas compras de acordo com o fluxo de caixa da empresa. Acompanhe os seus resultados através da DRE, pois ali está seu resultado econômico. Acompanhe seus indicadores financeiros e também dos seus processos internos e externo periodicamente.

Poxa, mas como vou fazer tudo isto? Deixo aqui algumas dicas.

Busque em sua base de dados os históricos da empresa como faturamento, custos e despesas e analise-os. Defina quais indicadores serão mensurados como faturamento, ponto de equilíbrio, lucratividade entre outros que podem revelar a situação empresa como a geração de caixa, cobrir os custos e gerar lucro.

Tenha como meta fazer controles diários de todas as operações da empresa, seja operacional ou financeira. Assim terá uma base de dados para análise atualizada.

Se você não tem o conhecimento ainda dos termos técnicos como das finanças, indicadores e contabilidade, fale com um Contador Consultor. Além disso busque em sites de credibilidade cursos, e-books, onde muitos deles oferecem material gratuitos e isto fará com que tenha habilidades para melhorar sua gestão.

O que facilita seu trabalho no controle de gestão é investir em tecnologia, seja equipamentos ou softwares que tornam mais rápida apuração dos processos. Fique tranquilo se não pode investir agora, faça seus controles mesmo que forma manual ou em planilhas, mas faça.

Sabemos que o momento não está propicio, mas coloque nas suas metas fazer uma reserva de capital, seja para giro ou investimentos futuros.

Converse com um Contador Consultor que poderá apoiar com consultorias ajudando nas análises e propondo estratégias de melhorias.

Lembre-se a crise não afeta totalmente da mesma forma as empresas, algumas se preparam com estratégias seja em produtos, preços ou inovação e outras enxergam possibilidades de novos negócios.

Por Roque Andrade – Consultor em Finanças; Contador; Sócio das empresas Conta Gestor Contabilidade e RA Consultoria Empresarial; Consultor Credenciado Sebrae-Pr; Especialista MBA em Finanças, Auditoria e Planejamento Tributário; Diretor Suplente do Sescap Campos Gerais; Membro do IPEC Instituo de Estudos Contábeis de Ponta Grossa.