Na economia do nosso País, não é novidade que vivemos em altos e baixos, onde as questões da macroeconomia trazem reflexos direto na microeconomia que acabam impactando o dia a dia dos empreendedores e consumidores através dos preços sejam eles na compra ou na venda.

Diante desta situação os empreendedores e empresários devem estar atendo com seus controles financeiros, como fluxo de caixa e DRE, pois eles resumem as operações praticadas do produto final seja comércio ou serviço através do preço de venda praticado.

Quando falamos em preço de venda temos que estar atendo se o que está sendo praticado atende as necessidades de capitação de recursos para a empresa. Pois é a venda que vai oxigenar os resultados. Porém uma análise deve ser muito bem elaborada porque nem sempre um aumento de faturamento quer dizer melhores resultados. Se não conhecer o seu preço de venda, pois se ele estiver errado, quanto mais venda mais prejuízo terá no seu negócio. Por isso jamais de desconto sem conhecer sua precificação correta.

Mas como eu faço para verificar se meu preço está correto? Para a verificação do preço de venda é necessário conhecer os números das finanças da empresa apresentados na DRE (Demonstrativo de Resultado) tema já abordado aqui na coluna no Portal.

Estes números também estão presentes no dia a dia através dos custos, das despesas e impostos da empresa. Para aquele empresário do comércio quando ele faz a compra de uma mercadoria é um custo, ou seja, já é um elemento do seu preço de venda e também o prestador de serviço quando emprega sua mão de obra se classifica como custo. Exemplos de despesas são o aluguel, o para o labore, energia elétrica entre outros. Lembrando que cada estrutura tem a sua classificação e a sua composição de custos e despesas, daí aquela máxima que não poderá apenas copiar o preço da concorrência.

Muitos empresários acabam praticando aquela margem do 100% em cima da mercadoria comprada, cuidado, sem conhecer seus números poderá estar incorrendo em perdas.

Isto chama sua atenção empreendedor para fazer um levantamento pelo menos dos últimos 03 meses para que você empresário identifique deus custos e despesas, quais se comportam de forma fixa e quais se comportam de forma variável em relação as vendas. Este comportamento pode ser visto da seguinte forma: os custos fixos quanto mais vendas mais eles são rateadas entre as mercadorias, ou seja, a um melhor aproveitamento da estrutura empresarial; já os custos variáveis irão aumentar pois quanto mais vendas, eles acompanharam este movimento. Fazendo esta verificação poderá levantar qual a margem de contribuição de cada produto/serviço.

Ao se preparar para formatar seu preço de venda chegará a três etapas que podem ser analisadas e adaptadas a que melhor satisfazer a estratégia da empresa.

  1. Preço calculado internamente: suponhamos que determinado produto aplicados todos os elementos, como custos, despesas, impostos e margem de lucro na ordem dos 20% chegue a R$185,00. É necessário analisar se o produto é exclusivo e não tenho concorrentes, posso explorar isto.  Se for um produto comum e meus concorrentes possuem com preços menores, deverá analisar seus custos até mesmo sua compra, a margem de lucro, pois se é um produto comum e não apresento diferencial algum, provavelmente terá dificuldades na venda do produto por ser mais caro.
  2. Comparar o preço com a concorrência – serve como estratégia para analisar se tem preços competitivos e com lucratividade. Mas procure não entrar na onda de copiar o preço do concorrente.
  3. Preço praticado – é o preço em que após as análises a empresa irá operar.

Algumas empresas no início de suas operações adotam o chamado preço de guerra, onde entram no mercado com preços até abaixo do praticado pelos concorrentes. Pode ser uma estratégia para ganhar espaço no mercado, mas deverá estar muito bem preparado com capital de giro, pois ainda não terá retorno e aí sua duração será muito curta no mercado.

Por isso fixar o preço de venda é uma atividade de suma importância para o seu negócio, pois é o início das operações da empresa e que terão seus reflexos nos seus de resultados.

Lembre-se o que faz seu negócio acontecer é que tenha vendas e mais vendas, mas com lucratividade.

Por Roque Andrade – Consultor em Finanças; Contador; Sócio das empresas Conta Gestor Contabilidade e RA Consultoria Empresarial; Consultor Credenciado Sebrae-Pr; Especialista MBA em Finanças, Auditoria e Planejamento Tributário; Diretor Suplente do Sescap Campos Gerais; Membro do IPEC Instituo de Estudos Contábeis de Ponta Grossa.